Vocalista do Molejo, é acusado de estupro por jovem Anderson Leonardo

Uma garota de 21 anos acusa o cantor Anderson Leonardo, 48, de tê-lo estuprado no dia 11 de dezembro de 2020 em seguida o vocalista garantir levá-lo a uma reunião e ingressar em um motel no Rio de Janeiro. O boletim de ocorrência foi descoberto, nesta quarta-feira (3), através do colunista do programa A Tarde É Sua (RedeTV!) Alessandro Lo-Bianco. O cantor nega fervorosamente o crime.

Segundo relatado à polícia, Anderson Leonardo seria empresário da vítima, que tenta carreira de MC, e teria feito o convite a jovem para uma conversa em privado. Antecedente mente de chegar ao local, o vocalista teria enunciado que pararia o automóvel para que eles pudessem comer, mas em circunstância disso, o ludibriou a ingressar em um hotel.

Ao chegar ao aposento, o cantor teria tirado as roupas e teria dado dois tapas na cara da moça, que chorava e dizia, além disso, ser virgem. Inclusive conforme narração à polícia, o garoto afirmou que o cantor teria tomado seu celular e o teria desligado. Em seguida, Anderson Leonardo o teria violentado sexualmente, sem usar camisinha.

Segundo descrição do jovem no boletim de ocorrência, o vocalista, além disso, teria decretado diversos palavrões e xingamentos e que, em deliberado instante do abuso, ele teria desfalecido. Ao acordar, o jovem disse que Anderson Leonardo o teria forçado a construir sexo oral. “Se me morder eu te mato”, teria declarado o cantor.

Anderson Leonardo, vocalista do grupo Molejo – Instagram

 

CANTOR NEGA O OCORRIDO

Em réplica por ambiente de suas redes sociais, o cantor Anderson Leonardo nega fervorosamente o acontecimento. De conciliação com nota, ele foi surpreso com a notícia e não, tem qualquer informação sobre o ponto, já que não foi intimado.

O cantor diz, além disso que “lamenta profundamente as declarações envolvendo seu nome, refutando algum ato de violência contrário quem quer que seja, negando categoricamente à acusação plenamente falsa de agressão sexual”.

O artista ressalta que em mais de 30 anos de vida pública nunca teve seu nome relacionado a algum ato criminoso ou que viesse a difamar ou macular a sua imagem e carreira. A observação afirma que Anderson “conhece a suposta vítima, mas nunca praticou os atos veiculados na imprensa”. Diz igualmente que tem competência que a suposta vítima já esteve presente em diversas apresentações artísticas dele, “o que demonstra que a narrativa publicada jamais ocorreu”.