A velhice começa quando perdemos nossa curiosidade

A velhice começa onde termina a curiosidade

Se houvesse algo que realmente nos comove, seria curiosidade e desejo de conhecer coisas novas, mundos e experiências. A curiosidade nasce conosco e permanece por toda a vida: no momento em que sentimos que não há nada que nos motive a continuar aprendendo, temos um problema.

Esta é a grande razão pela qual o escritor português, Saramego , nos disse que “a velhice começa onde a curiosidade termina”. Em outras palavras, associamos a juventude à vitalidade e o desejo de desfrutar o mundo sem limites, enquanto associamos a velhice ao contentamento com a vida e à perda de nosso apetite para descobrir mais sobre as coisas ao nosso redor…

“Eu não poderia, em nenhuma idade, me contentar em tomar meu lugar à beira da lareira e simplesmente olhar. A vida era para ser vivida. A curiosidade deve ser mantida viva. Nunca se deve, por qualquer motivo, dar as costas à vida. ”

-E. Roosevelt-

Curiosidade: a característica definidora das crianças

Certamente você foi capaz de ver que as crianças , sobretudo quando são mais jovens, desejam conhecer extremos. Eles estão cheios de uma energia que se move para eles, questionando tudo, desejando tudo e tocando tudo o que está em seu caminho. Isso é normal, eles estão crescendo e querem saber onde estão e o que a vida tem a oferecer.

té certo ponto, esse é o primeiro passo em seu aprendizado como pessoas, e nós, adultos, somos obrigados a incentivá-los a deixar essa curiosidade continuar e a se desenvolver de maneira positiva e intelectual. Foi assim que também aprendemos a manter nossa constante curiosidade, do tipo que nos move e nos leva a superar desafios: é isso que nos faz sentir jovens (mais parecidos com crianças ).

“Acho que se perdermos nossa curiosidade, não há nada; não há reflexão e, portanto, não há conhecimento e não há possibilidade de saber, de chegar ao fundo de alguma coisa. Sem curiosidade, imediatamente você não está vivendo.

-Luis Eduardo Aute-

O arco invertido da curiosidade

Vários estudos foram realizados para tentar entender a curiosidade humana. Os estudos mostraram, em resumo, que somos mais curiosos nos momentos em que sabemos um pouco sobre um determinado tópico e queremos saber tudo sobre ele.

Nesses casos, a curiosidade pode ser representada com um U invertido, onde o ponto de partida desperta nosso desejo curioso de conhecer a amplitude completa do U acima mencionado. Esse fator está relacionado a outros estudos que mostraram que a curiosidade está conectada à nossa memória e aprendizado. : a curiosidade nos ajuda a não esquecer o que pode ser chamado de aprendizado motivado, como recompensa.

Como promover a curiosidade

Com tudo dito acima, podemos entender por que a velhice costuma envolver falta de curiosidade: não querer mais aprender é semelhante a tirar o sentido da vida . É importante sempre manter alguma curiosidade dentro de nós, do tipo que nos levou a ouvir através de portas ou a descobrir a América. Graças a isso, fizemos avanços em todos os campos imagináveis ​​de estudo.

A melhor maneira de incentivar essa curiosidade é, como já dissemos, estimulá-la, em sua parte positiva, nas crianças. Aqui vamos ver algumas maneiras de fazer isso:

Desenvolvendo a imaginação : experimente e deixe-os experimentar, tente transformar a rotina diária em novas “excursões”, onde algo novo é aprendido todos os dias.
Lidere o exemplo: se você quiser que uma criança aprenda algo, acompanhe o que está dizendo com um exemplo. Se eles perceberem que você ainda tem sua curiosidade, mesmo para as coisas diárias, eles também o farão.
Responda às perguntas deles: não serve para nada responder a uma criança com “apenas porque”, exceto para fazê-la ficar quieta. Tente dar-lhes uma explicação coerente, para que essas explicações possam, aos poucos, levá-los a fazer mais perguntas.
Deixe-os fazer as coisas por si mesmos: as crianças precisam descobrir que podem cometer erros e que é necessário fazer isso para aprender. Se você lhes der a chance de entender isso, estará ajudando-os a lidar com eles em situações difíceis e, ao mesmo tempo, a fortalecer sua criatividade.