africa

Como o COVID-19 devasta sistemas de saúde já frágeis, mais de 6.000 crianças menores de cinco anos podem morrer por dia, sem ação urgente

NOVA YORK, 13 DE MAIO DE 2020 – Outras 6.000 crianças podem morrer todos os dias por causas evitáveis ​​nos próximos seis meses, enquanto a pandemia do COVID-19 continua enfraquecendo os sistemas de saúde e interrompendo os serviços de rotina, informou hoje o (UNICEF).

A estimativa é baseada em uma análise de pesquisadores da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg, publicada recentemente na revista The Lancet Global Health . Com base no pior dos três cenários em 118 países de baixa e média renda, a análise estima que mais 1,2 milhão de mortes menores de cinco anos possam ocorrer em apenas seis meses, devido a reduções nos níveis de cobertura dos serviços de saúde de rotina e a um aumento nas crianças. Desperdiçando.

Estes potenciais mortes de crianças será além dos 2,5 milhões de crianças que já morrem antes dos 5 º aniversário a cada seis meses nos 118 países incluídos no estudo, ameaçando reverter quase uma década de progresso sobre o fim evitável, menores de cinco, mortalidade.

Outras 56.700 mortes maternas também podem ocorrer em apenas seis meses, além das 144.000 mortes que já ocorrem nos mesmos países durante um período de seis meses.

“No pior cenário, o número global de crianças que morrem antes do quinto aniversário pode aumentar pela primeira vez em décadas”, disse a diretora-executiva do (UNICEF), Henrietta Fore. “Não devemos deixar mães e filhos se tornarem danos colaterais na luta contra o vírus. E não devemos perder décadas de progresso na redução das mortes evitáveis crianças e mães. ”

Em países com sistemas de saúde já fracos, o COVID-19 está causando interrupções nas cadeias de suprimentos médicos e sobrecarregando recursos financeiros e humanos. As visitas aos centros de saúde estão diminuindo devido a bloqueios, toques de recolher e interrupções no transporte, e as comunidades continuam com medo de infecção. Em um comentário ao relatório da Lancet, o (UNICEF) alerta que essas interrupções podem resultar em aumentos potencialmente devastadores nas mortes maternas e infantis.

O artigo analisa três cenários para o impacto de reduções em intervenções que salvam vidas devido à crise nas mortes infantis e maternas. Ele alerta que, no cenário menos grave, onde a cobertura é reduzida em torno de 15%, haveria um aumento de 9,8% nas mortes de crianças menores de cinco anos, ou cerca de 1.400 por dia, e um aumento de 8,3% nas mortes maternas. No pior cenário, em que as intervenções de saúde são reduzidas em cerca de 45%, pode haver um aumento de 44,7% nas mortes de menores de cinco anos e 38,6% nas mortes maternas por mês. Essas intervenções vão desde planejamento familiar, atendimento pré-natal e pós-natal, parto, vacinação e serviços preventivos e curativos. As estimativas mostram que, por qualquer motivo, os cuidados de saúde de rotina são interrompidos e o acesso aos alimentos diminui, o aumento de mortes infantis e maternas será devastador. O maior número de mortes infantis adicionais será devido a um aumento na prevalência de desperdício de crianças, que inclui o impacto potencial além do sistema de saúde e a redução no tratamento de sepse neonatal e pneumonia.

De acordo com a modelagem, e assumindo reduções na cobertura no pior cenário, os 10 países que poderiam ter o maior número de mortes infantis adicionais são: Bangladesh, Brasil, República Democrática do Congo, Etiópia, Índia, Indonésia, Nigéria, Paquistão, Uganda e República Unida da Tanzânia. Os dez países com maior probabilidade de testemunhar as maiores taxas de mortalidade infantil em excesso no pior cenário são: Djibuti, Eswatini, Lesoto, Libéria, Mali, Malawi, Nigéria, Paquistão, Serra Leoa e Somália. A prestação continuada de serviços de salvação é fundamental nesses países.

Além do aumento potencial estimado em menores de cinco anos e mortes maternas descritas na análise do Lancet Global Health Journal, o (UNICEF) está profundamente alarmado com os outros efeitos indiretos da pandemia em crianças:

  • Estima-se que 77% das crianças com menos de 18 anos em todo o mundo – 1,80 bilhão dos 2,35 bilhões – viviam em um dos 132 países com políticas de permanência em casa desde o início de maio.
  • Quase 1,3 bilhões de estudantes – mais de 72% – estão fora da escola como resultado do fechamento de escolas em todo o país em 177 países.
  • 40% da população mundial não consegue lavar as mãos com água e sabão em casa.
  • Quase 370 milhões de crianças em 143 países que normalmente dependem de refeições escolares para obter uma fonte confiável de nutrição diária agora precisam procurar outras fontes quando as escolas são fechadas.
  • Em 14 de abril, mais de 117 milhões de crianças em 37 países podem perder a vacinação contra o sarampo, pois a pandemia faz com que as campanhas de imunização parem para reduzir o risco de disseminação do vírus.

Esta semana, o (UNICEF) está lançando a #Reimagine, uma campanha global para impedir que a pandemia do COVID-19 se torne uma crise duradoura para crianças, especialmente as crianças mais vulneráveis ​​- como as afetadas pela pobreza, exclusão ou violência familiar. Por meio da campanha, o (UNICEF) está apelando urgentemente aos governos, público, doadores e setor privado para que se juntem ao (UNICEF), na medida em que procuramos responder, recuperar e reimaginar um mundo atualmente sitiado pelo coronavírus:

  • Responder. Devemos agir agora para impedir que a doença se espalhe, ajudar os doentes e proteger os socorristas nas linhas de frente, arriscando suas próprias vidas para salvar os outros.
  • Recuperar. Mesmo quando a pandemia diminui, cada país terá que continuar trabalhando para mitigar os efeitos colaterais nas crianças e enfrentar os danos infligidos. As comunidades também terão que trabalhar juntas e além-fronteiras para reconstruir e impedir o retorno da doença.
  • Reimagine. Se aprendemos alguma coisa com o COVID-19, é que nossos sistemas e políticas devem proteger as pessoas, o tempo todo, não apenas no caso de uma crise. À medida que o mundo se recupera da pandemia, agora é a hora de lançar as bases para reconstruir melhor.

Para iniciar a campanha, dois dos parceiros valiosos do (UNICEF) – Pandora e ING – concordaram em prometer uma doação generosa para mostrar sua parte em responder à chamada para esse apelo e estimular mais doações do público nas próximas semanas.

“A crise do COVID-19 é uma crise dos direitos da criança. Precisamos de uma resposta imediata, de médio e longo prazo, que não apenas lide com os desafios criados pela pandemia e seus impactos secundários nas crianças, mas também delineie uma versão clara para a construção de um mundo melhor quando a crise finalmente voltar. Para isso, precisamos das idéias, recursos, criatividade e coração de todos. ” disse Fore. “É nossa responsabilidade compartilhada hoje, reimaginar como será o mundo amanhã”.

######

Baixe fotos, broll e o artigo aqui.  Revise os dados de 118 países aqui.

O artigo será publicado na revista Lancet Global Health em 12 de maio, às 23h30, hora do Reino Unido: http://www.thelancet.com/journals/langlo/article/PIIS2214-109X(20)30229-1/fulltext

Aprenda sobre a campanha #Reimagine aqui: www.unicef.org/reimagine

Os autores do estudo Lancet Global Health usaram a ferramenta Lives Saved (LiST) para modelar a mortalidade infantil materna e abaixo de cinco anos em três cenários em 118 países de baixa e média renda. Eles modelaram três cenários nos quais a cobertura de intervenções essenciais de saúde materna e infantil é reduzida em 9,8 a 51,9% e a prevalência de desperdício é aumentada em 10 a 50%. Eles estimaram mortes adicionais por um único mês e extrapolaram por 3 meses, 6 meses e 12 meses

Essas intervenções vão desde planejamento familiar, atendimento pré-natal e pós-natal, parto, vacinação e serviços preventivos e curativos. Os cenários modelados são hipotéticos e não refletem políticas reais ou distinguem entre estratégias de mitigação – apenas que ocorrerão interrupções.

Sobre o Programa Covid-19 do (UNICEF) e a Resposta à Advocacia

A resposta é construída em torno de uma Agenda de Ação de seis pontos que apoia os governos e apela aos tomadores de decisão para:

  • Mantenha as crianças saudáveis ​​e bem nutridas
  • Alcançar crianças vulneráveis ​​com água, saneamento e higiene
  • Mantenha as crianças aprendendo
  • Ajudar as famílias a cobrir suas necessidades e cuidar de seus filhos
  • Proteger as crianças da violência, exploração e abuso
  • Proteger as crianças refugiadas e migrantes, e as afetadas por conflitos

Fonte https://www.unicef.org/