Mãe – 1 ano e outra de 2 meses para vender os órgãos porque ‘valiam muito dinheiro’

Publicidade

Um acontecimento estranho tem chamado a dedicação no mundo inteiro.

Uma mãe norte-americana assassinou friamente suas duas filhas para negociar os órgãos, afirmando que havia achado que valiam uma alta quantia.

Amanda Sharp-Jefferson, de 26 anos de idade, morava juntamente com amásio, Jaykwon Singleton, e suas filhas, uma de 1 ano, chamada Rose e outra, Lily, e exclusivamente dois meses de existência. A família residia no município de Las Vegas, que fica situada no estado de Nevada, nos Estados Unidos, aonde o delito aconteceu.

Governo anuncia péssima notícia aos beneficiários do programa bolsa família

Jaykwon Singleton foi o primeiro a descobrir os corpos das crianças. Ele acordou de manhã e se deparou com a comovente cena das duas meninas ausência vida, uma em cima da outra, ambas sem ausência de sinais vitais, na companhia da mãe.

De conciliação com o amásio de Amanda, ela se justificou dizendo que os órgãos valeriam excessivamente dinheiro. Até o evidente acontecimento, a forma conforme a mulher assassinou as filhas ainda são desconhecidas, mas está sendo investigada pelas autoridades locais.

Publicidade
______

Amanda foi denunciada pelo próprio amásio, que deu testemunho sobre o que viu. A mulher foi presa no derradeiro dia 06. Em conversa com a polícia, Jaykwon contou que a namorada tentou constituir com que ele ficasse silencioso sobre a violação, afirmando que os órgãos iriam oferecer extremamente dinheiro

Urgente: atual prefeito e candidato a reeleição morre apos infarto

Amanda foi perguntada a consideração da precificação dos órgãos e respondeu que havia observado a um filme no qual as pessoas faziam riqueza com negócio de órgãos de falecidos, o que a teria determinado a fazer o crime.

Amanda e o amásio estava se relacionando há cerca de dois anos e, até o delito, não mostraram enredo de problemas. Ao estar presa, a mulher disse haver sido vítima de uma armação e que jamais tinha filhas sequer conhecia o homem que afirmava subsistir seu companheiro.

Amanda continua em custódia e está aguardando uma resposta judicial para compreender se poderá contestar pelo delito em liberdade ou se pagará fiança.

Via: noticias.uol.com.br